quinta-feira, 19 de junho de 2008

Espinhos que transpassam, magoando alguém...

"Ao pegar uma rosa, não percebo seus espinhos e sou traiçoeiramente espetado, ao soltar a flor que cai como uma pluma no chão de concreto, abro minha mão e vejo sangue, tanto quanto fosse amputada por algo afiado. Poderia esmagá-la com meus pés, dissipando assim, a dor e o ódio que ela me fizeste sentir. No entanto pego novamente a rosa com mais cuidado e reparo sua magnitude e beleza que se utiliza de seus espinhos para se proteger e mostrar o quão ela pode ser perigosa, escondendo para si e em si uma formosura incomparável e um aroma inebriante".
Postar um comentário